Aumenta o som

Músicas de Séries

22 abril

     Olá Galerinha! Tudo bem com vocês? Espero que sim! Aqui é Thainara e como prometido vim trazer um pouco de música para vocês.
     Se você é fã de séries, assim como eu, há uma grande possibilidade de você já ter escutado algumas destas músicas que irei citar.
      No mundo cinematográfico algumas cenas acabam sendo eternizadas por uma música. Hoje irei falar de algumas que marcaram momentos e nossas memórias.

#1.  Should I Stay Or Should Go - The Clash



    Se você é um grande admirador da série americana Stranger Things, com certeza conhece bem esta música. Este Rock clássico da banda inglesa The Clash, lançado em 1982 no álbum Combat Rock é associado ao personagem Will Byres, um garoto de 12 anos que desaparece misteriosamente de sua cidade. A música é tocada diversas vezes na primeira temporada desse seriado de ficção cientifica e terror de grande sucesso.

    Se você curte séries que se passam nos anos 80, com muito mistério e aventura, Stranger Things pode ser uma ótima opção. Se você quiser saber um pouco mais sobre a série, visite nosso post com uma resenha incrível! É bem simples, você só precisa clicar na categoria “Séries”. Além disso, você poderá conhecer outros seriados maravilhosos, confere lá!
    Ah, não se esqueça de aumentar o som quando a música tocar.


#2.  Give me Love - Ed Sheeran

    É quase impossível não gostar de algumas músicas do ruivinho mais fofo, Ed Sheeran. Nos últimos tempos as suas músicas tem estado no topo das paradas mundiais. Com a música Give me Love não foi diferente, lançada em 2011 no álbum +, ganhou destaque na terceira temporada da série The Vampire Diaries, apesar de aparecer em apenas um episódio foi capaz de marcar memórias, principalmente a dos fãs que torciam pelo casal Damon e Elena. Além disso, a música ganhou uma coreografia especial feita pela série que inspirou muitas meninas a usar em sua valsa de quinze anos.

    A série americana The Vampire Diaries de oito temporadas é uma mistura de fantasia, mistério, drama e romance. Se você identifica-se com esses gêneros, recomendo a série. Além do mais, este seriado é baseado nos livros de mesmo nome da autora L. J. Smith.


#3. With or Without You - U2 


    O rock clássico marcou época e geração. Mas também eternizou cenas. A música With or Without You da banda irlandesa U2, lançada em 1987 no álbum The Joshua Tree, alcançou o topo do Billboard Hot 100 no ano de lançamento e levou fãs à loucura. Após, muitos anos do seu sucesso, ela foi relembrada na série americana Friends, na qual o personagem Ross dedica à música para a personagem Rachel no rádio.

    Se você tem interesse de conhecer a série cômica, sugiro que você leia uma resenha feita aqui no blog. É só clicar na categoria “Séries” e conferir!


    Bom, galerinha essas são apenas algumas músicas que marcaram minha memória. Espero que tenham gostado. Aproveite bastante o som, dance, cante e divirta-se.  Não se esqueça que ainda teremos muitas músicas rolando por aqui. Então, até a próxima!


››

Aumenta o som

Aumenta o SOM!

22 abril


    Olá galerinha, tudo bem com vocês? Espero que sim! Pois tenho uma super novidade para contar!
    Como vocês podem notar o blog agora têm esta ferramenta sobre música! Isto não é incrível?
   Aos sábados ou domingos à noite você poderá conferir o melhor das músicas de filmes e séries, além disso, às sextas-feiras à noite acontecerá alternadamente os especiais: “ Dos livros às telinhas...”,na qual comentaremos as músicas que marcariam algumas livros ao ganhar uma adaptação nas telinhas do cinema; e “Essa trilha sonora combina com quem?”, em que você leitor irá indicar uma  trilha sonora por meio do Instagram para personagens de livros, filmes e séries, a música mais sugerida será postada aqui no blog! De vez enquanto acontecerão alguns especiais surpresa.
    Não deixe de dar uma passadinha aqui quando vier visitar o blog! Te espero! Até aproxima! Abraços!

By,
                                                                                                                                                   Thainara

››

Crave LLC

Resenha: November 9

22 abril

Título:November 9
Autora: Colleen Hoover
Editora: Crave LLC
Ano:2016
Páginas: 320

Finalmente li “November 9” da Colleen Hoover. Já faz um bom tempo que eu o tenho na minha estante e no ano passado comecei a lê-lo, mas naquele momento a leitura não fluiu muito bem. Achei um pouco arrastada e alguns acontecimentos intensos demais para um primeiro momento. Pois bem, parei a leitura e para a minha surpresa ao recomeçá-la esse ano acabei vencendo as barreiras impostas pelas impressões que tive no ano anterior e finalizei a leitura. Então vamos a resenha em questão.

Os protagonistas da rodada são: Fallon uma jovem atriz que tem sua carreira interrompida devido a um acidente que a deixou com cicatrizes e Ben um aspirante a escritor. Eles se conhecem em um momento em que a vida de Fallon está prestes a mudar totalmente, literalmente, ela está se mudando para Nova Yorque. Portanto, eles terão uma grande distância separando-os, tendo em vista que Los Angeles, onde se conheceram, fica do outro lado do país. Os dois acabam tendo um dia incrível e gostando um do outro. Eles tomam a decisão que irão se encontrar durante os próximos cinco anos apenas naquela data, no dia nove de novembro. O acordo é que ambos precisam viver suas respectivas vidas, Ben precisa escrever um livro sobre a história dos dois ao longo desses encontros e Fallon precisa retomar sua carreira como atriz. Além disso, eles não podem conversar nesse intervalo entre os encontros, nem por telefone e tão pouco podem acompanhar as redes sociais um do outro.

Essa ideia me incomodou um pouco porque acho que no mundo atual é muito difícil manter essa distância toda, digo isso pois a tecnologia está aí para aproximar, quebrar as barreiras da distância. Eu me peguei questionando diversas vezes o por quê de não ter nada para se apoiar além de uma data, um único dia que eles poderão se conhecer e descobrir se de fato gostam um do outro. Eles poderiam conversar de vez em quando que não seria um empecilho em nada para os encontros anuais ao meu ver. Vencendo essa barreira, eu gostei da organização do livro, ele é direto e foca nesse único dia, não tem enrolação, os protagonistas não ficam naquela eterna lamentação. Os encontros acabam tendo dinâmicas diferentes com o passar do tempo, o que também é um ponto favorável.

A baixa auto-estima da Fallon se justifica em suas cicatrizes, essa característica da personagem não chegou a me incomodar, pois ela está passando por um processo de aceitação. A personagem se manteve firme em relação ao seu sonho de ir morar em Nova York e eu gostei bastante dessa atitude. Fallon cresce a medida que a leitura evolui, aos poucos vai vencendo seus medos e descobrindo uma forma de prosseguir com a sua vida. Ben em um primeiro momento parece ser aquele cara perfeito, que não existe. É perceptível que ele também tem as suas marcas do passado e que ele está passando por uma situação difícil. O que nos leva ao ‘plot twist’ do livro.

A reviravolta da trama foi inesperada para mim, não fazia ideia do que estava por vir. O primeiro pensamento que passou na minha cabeça durante a leitura é que não era possível, a ideia não ia se sustentar. Não seria Colleen Hoover sem essa dose de drama extra, a forma como os fatos são apresentados foi muito bem elaborado. Em contrapartida, alguns pontos apresentados não me convenceram, mas outros trouxeram veracidade para a obra, garantindo o seu equilíbrio.

Esse não é meu livro favorito da autora, acredito que ela pecou em alguns aspectos, mas no final a leitura fechou com um saldo positivo. Como sempre a escrita da Colleen Hoover é leve e gostosa de se acompanhar. Uma leitura para ser feita de forma despretensiosa e que prova que nem sempre um livro vai agradar de cara, mas ainda assim pode te surpreender. 

››

Benvirá

Resenha: O Feitiço do Desejo (Terra de Histórias #1)

19 abril


Título: O Feitiço do Desejo (Terra de Histórias #1)
Autor: Chris Colfer
Editora: Benvirá 
Páginas: 368
Ano: 2017
Classificação: 5 / 5 estrelas (Favorito!)


Em meio a tantos livros, descobri por acaso a série Terra de Histórias do Chris Colfer. Estava procurando por uma leitura mais leve, com aventuras e um pouco de fantasia e apesar de não ter lido nenhuma obra do autor antes, fiquei surpresa com a construção da trama singular. Ao ler a sinopse, já fiquei entusiasmada por envolver os contos de fadas e foi impossível resistir a essa leitura incrível.

Alex e Conner Bailey são irmãos gêmeos e completamente diferentes. Enquanto Alex é uma aluna solitária, dedicada e estudiosa que chama a atenção dos professores, Conner é popular, com muitas amizades e não se destaca muito nos estudos. Eles estão passando por momentos difíceis desde que perderam o seu pai que era o porto seguro de toda a família. Para completar, a mãe passa por dificuldades para sustentar a casa, tendo que trabalhar muito mais do que deveria para criar os filhos e apesar de poder contar com a ajuda sogra, prefere manter-se firme sozinha no sustento deles.

Porém a vida deles muda radicalmente quando recebem de presente da avó o livro Terra de Histórias que tem todos os contos de fadas que eles ouviam na infância. Alex se sente encantada pelo presente, mas percebe que há algo errado pelo fato de uma luz intensa sair diretamente do livro. Apesar de não saber de onde ela vem, os irmãos resolvem investigar e caem diretamente dentro de uma floresta, sem saberem onde estão e como voltarão para casa. Com a ajuda de Froggy, que os acolhe em sua casa, eles descobrem que a única forma de voltar é pelo Feitiço do Desejo. Para isso eles precisam resolver os enigmas, descobrir quais são os objetos e estarem dispostos a tudo para consegui-los. Será que os irmãos conseguirão sair vitoriosos ao final desta aventura?

O Feitiço do Desejo é um livro encantador que me trouxe momentos de nostalgia ao relembrar os contos de fadas que li tantas vezes em minha infância. Porém, aqui eles estão todos juntos e entrelaçados, sendo um parte do outro e foi extraordinário ver esses contos de uma forma tão original pelo autor, sem perder o sentido das histórias.

Com personagens bem construídos, o livro mantém a essência das lições que aprendemos com essa literatura infantil em que tanto o bem quanto o mal podem estar muito mais próximos do que as pessoas imaginam. Alex e Conner são personagens muito agradáveis e é impossível não torcer por eles durante a leitura, além de se divertir com todas as aventuras surpreendentes que eles vivem.

O livro é narrado em terceira pessoa, com a trama muito bem elaborada e durante a leitura, cada capítulo instigava a leitura do seguinte e posso dizer que foi maravilhoso ter descoberto esse livro. O Feitiço do Desejo, sem dúvidas merece ser lido por todos os tipos de públicos e se assim como eu, você aprecia os contos de fadas não pode deixar de ler esse livro que entrou para a minha lista de favoritos!


››

Sobre autores

A vida e Obra de J. R. R. Tolkien - Um Breve Resumo

12 abril

Resultado de imagem para telperion and laurelin
Olá Rascunheiros, dei uma sumida mas estou de volta. (hehe)
       Desde 2015 venho conhecendo um pouco sobre esse cânone da literatura internacional que é a obra de Tolkien. Se você chegou aqui e não faz ideia de quem é este sujeito, saiba que John Ronald Reuel Tolkien foi nada menos que o escritor de O Hobbit e Senhor dos Anéis, além de diversas outras obras da ficção.
      Tolkien dedicou a vida a escrever e lecionar na universidade de Oxford, na Inglaterra, tendo produzido uma infinidade de escritos (grande parte sobre a conhecida terra-média e todo o universo de literatura fantástica que a acompanha), dos quais a maior parte não foi publicada por ele em vida.
Talvez um traço comum em casos de criação de universos fantásticos que crescem de forma descontrolada (vide As Crônicas de Gelo e Fogo), Tolkien era extremamente detalhista e perfeccionista quanto a suas obras, realizando diversas modificações, reescritas e revisões, postergando assim a publicação de grande parte de seu trabalho por acreditar que não estava pronto, não estava bom o suficiente. Por essa razão, a principal obra ficcional da vida dele, O Silmarillion, como muitas outras foi publicada postumamente pelo filho, Christopher Tolkien.
       Antes de continuar, quero ressaltar que não sou nenhum estudioso ou especialista em Tolkien (e existem vários, tá?), portanto, caso eu cometa algum equívoco, me corrijam nos comentários. A formação do Tolkien era na área de letras com ênfase em filologia, uma área que estuda profundamente as linguagens, decorrendo daí a criação do idioma élfico (ele não fez só umas palavrinhas não, o cara elaborou todo um idioma) chamado Quenya. O autor mantinha uma amizade íntima com outro aclamado autor, C.S. Lewis, criador das crônicas de Nárnia e diversas outras obras. Ambos eram membros de um grupo de literatura e cristãos praticantes, sendo conhecido o fato de que trocavam ideias sobre seus escritos com certa frequência. Daí, é possível traçar paralelos sobra as obras de ficção mais famosas de ambos, que apresentam vários elementos religiosos, como a personificação de um Deus criador, a existência dos anjos e a existência do anjo caído (na obra de Tolkien). Um elemento muito curioso que pode ser observado em Crônicas de Nárnia e em O Silmarillion é a criação do mundo, que em ambos os casos acontece por meio do canto. Enquanto Aslam canta e do seu canto surge todo o mundo de Nárnia, em o Silmarillion, a primeira parte trata do Ainulindalë, a canção dos Ainur, por meio da qual é criada Arda e todas as coisas existentes na ficção Tolkieniana. Por este panorama, nota-se uma relação estreita das criações de ambos os autores, em que a diferença reside em quem canta a criação: no primeiro o próprio deus, enquanto no segundo o deus Eru Ilúvatar cria os Ainur (anjos de alto escalão) que são a orquestra da criação. Por outro lado, ambos criaram obras voltadas para o público infantil, Lewis a própria Nárnia, enquanto Tolkien tem Roverandom e Mestre Gil de Ham, que compartilhou o ilustrador de crônicas de Nárnia para a publicação. 
       As principais obras de Tolkien publicadas no Brasil são:
- O senhor dos Anéis (em três partes e volume único);
- O Hobbit;
- O Silmarillion;
- Os Filhos de Húrin;
- Contos Inacabados;
- As Aventuras de Tom Bombadil (até aqui todos sobre o mesmo universo);
- Roverandom;
- Mestre Gil de Ham;
- A História de Kullervo;
- Beowulf (tradução do poema histórico);
- A Queda de Artur;
- A Lenda de Sigurd e Gudrún;

       Tanto eu quanto a Carol temos algumas dessas obras e já lemos várias delas. Pretendo, com calma e dedicação, abordar em resenhas posteriores algumas das histórias de o Silmarillion, Os Filhos de Húrin e Contos Inacabados de forma resumida e despretenciosa. É válido ressaltar que várias obras publicadas em inglês não foram traduzidas e que algumas como a balada de Beren e Luthien (muito mencionada em toda obra da Terra Média) foram publicadas mais recentemente por meio da edição de Christopher Tolkien, sem o qual jamais conheceríamos textos como Silmarillion e a história dos filhos de Húrin, além de tantas outras presentes em Contos Inacabados (que como diz o título, estão inacabados). Bom, essa é uma resumida beeeem básica sobre a obra de Tolkien, um sujeito com um legado enorme e que nos permitiu conhecer um pouco da fantasia que ele não só escreveu mas que se tornou objetivo de vida para ele e toda a família.
Até a próxima pessoal.

››

Arqueiro

Resenha: A Mulher na Janela

08 abril


Título: A Mulher na Janela
Autor: A. J. Finn
Editora: Arqueiro
Páginas: 388
Ano: 2018
Classificação: 4 / 5 estrelas

Já fazia muito tempo que eu não lia suspenses, e hesitei bastante antes de fazer essa leitura. Porém, de uma forma fascinante, A Mulher na Janela foi um livro tão bom e tão incrível que eu não pensaria duas vezes antes de indicá-lo e acredito que os leitores de suspense, sem dúvidas, ficarão surpresos com esse livro.

Anna Fox é uma psicóloga clínica que vive reclusa em sua casa, desde que se separou do marido e da filha. Depois de ter passado por um Transtorno de Estresse Pós-Traumático, ela sofre de agorafobia (medo de lugares abertos) e passa os seus dias espionando os vizinhos, bebendo Merlot, tomando inúmeros remédios, jogando xadrez e conversando com pacientes online.  No entanto, sua vida começa a tomar um rumo inesperado, quando ela descobre que os Russells mudam para a casa da frente e ela recebe a visita da mãe e do filho. A família Russell passa a ser uma obsessão para Anna desde que ela presencia algo da janela, porém, ao acionar as autoridades, Anna é desacreditada por elas e não sabe se o que viu é real ou alucinação, afinal, ela passa os seus dias bebendo e tomando remédios fortes. Como poderia ter certeza daquilo que ela presenciou?

A Mulher na Janela é um thriller psicológico construído de uma forma tão incrível e intensa que muitas vezes questionei com os personagens o que de fato estaria acontecendo. Afinal, o que era real? E o que não era? É um livro que fala sobre transtornos e o quanto é difícil viver com eles, se adaptar a uma nova vida quando você viveu de forma tão ativa antes.

O livro é narrado em primeira pessoa pela Anna e em muitos momentos é impossível não colocar-se no lugar dela e os questionamentos que ela fazem são de fatos muitos bem construídos. Como acadêmica de psicologia os diálogos não me surpreenderam, mas não tem como negar que tanto essa personagem quanto os outros foram muito bem elaborados pelo autor. Apesar dos vários personagens da trama, o autor não se perdeu nela e todos eles têm uma participação ativa no livro.

A Mulher na Janela é um livro que recomendo para aqueles que gostam de uma trama psicológica cheia de reviravoltas e surpresas. Apesar de ter achado o início do livro um pouco cansativo, fico feliz de ter continuado e ter chegado até o final.  Para todos aqueles que apreciam um bom suspense sem dúvidas é uma leitura maravilhosa!





››

Caixinha de Correio

Caixinha de Correio: Recebidos do mês de março

04 abril

Olá Rascunheiros, hoje venho mostrar os livros recebidos no mês de março e adiantar algumas leituras que virão no mês de abril. Era pra ter mais livros nessa lista, mas devido alguns problemas de logística da Saraiva (acredito que muitos de vocês passaram pelo mesmo problema) eu ainda não recebi os livros que adquiri na promoção do dia das mulheres da loja. Vamos ao que interessa.

Recebi da editora Autografia dois livros, "A batalha Insesperada"(Carolina Ramalho) e "Laura Sophia Heyes" (Thais Caldeira). As duas leituras já estão em andamento e em breve terá resenha aqui no blog. Vou deixar a sinopse dos dois abaixo, caso tenham interesse, vou deixar o link para compra.

Título: Laura Sophia Heyes
Sinopse: Laura era uma modelo famosa em seu país. O lugar era governado por uma monarquia, a história se passa no período pós-guerra e a população estava se rebelando contra o governo por não ter condições de sobrevivência. Os pais de Laura decidem se aliar ao governo e, com a ajuda da única filha, veiculam notícias em favor do Rei pelas mídias, neste momento a vida de Laura muda completamente, ela sofre ameaças e ataques direcionados até que precisa decidir de qual lado vai lutar. (Compre aqui)

Título: A Batalha Insesperada
Sinopse: Ashley é uma adolescente como todas as outras. Tem amigos dos quais se orgulha e encontra alguém por quem se apaixonar. Mas todo muda quando ela e sua família decidem viajar para a casa de um parente. Desde então, não só ela tem que enfrentar uma difícil e inesperada batalha. (Compre aqui)

Recebi da Companhia das Letras através do selo jovem Seguinte os livros: "Extraordinárias - Mulheres que Revolucionaram o Brasil" (Duda Porto e Aryane Cararo), "Cartas Secretas Jamais Enviadas" (organização de Emily Trunko) e "Últimas Mensagens Recebidas" (organização Emily Trunko). Os três já possuem resenhas aqui no blog, se você ainda não leu e tiver interesse o link está no título de cada um. Todas as leituras foram incríveis, em "Extraordinárias" eu tive uma grata surpresa por ter contato com a história de tantas mulheres brasileiras incríveis e nos textos organizados por Emily Trunko foi uma verdadeira montanha russa de sentimentos e recomendo a leitura a todos. Abaixo segue a sinopse deles.

Título: Extraordinárias - Mulheres que Revolucionaram o Brasil
Sinopse: Dandara foi uma guerreira fundamental para o Quilombo dos Palmares. Niède Guidon descobriu os registros rupestres mais importantes do nosso território. Indianara Siqueira é uma das lideranças mais atuantes da comunidade trans.Essas e muitas outras brasileiras impactaram a nossa história e, indiretamente, a nossa vida, mas raramente aparecem nos livros. Este volume, resultado de uma extensa pesquisa, chega para trazer o reconhecimento que elas merecem. Aqui, você vai encontrar perfis de revolucionárias de etnias e regiões variadas, que viveram desde o século XVI até a atualidade, e conhecer os retratos de cada uma delas, feitos por artistas brasileiras.O que todas essas mulheres têm em comum? A força extraordinária para lutar por seus ideais e transformar o Brasil. (Compre aqui)

Título: Últimas Mensagens Recebidas
Sinopse: A partir de contribuições anônimas, a jovem Emily Trunko reuniu nesta coletânea mensagens que contam histórias reais sobre os mais variados tipos de despedida: o fim de uma amizade, o término de um relacionamento ou até mesmo um acontecimento trágico que muda a vida do destinatário e do remetente para sempre. Enviadas por celular, por e-mail ou pelas redes sociais, essas mensagens narram perdas profundas e inspiram muita reflexão. Será que não deveríamos expressar mais o amor que sentimos pelas pessoas enquanto isso ainda é possível? Ou, em alguns casos, nos afastar o quanto antes daquelas que nos fazem mal? (Compre aqui)

Título: Cartas Secretas Jamais Enviadas
Sinopse: Você já desejou poder voltar no tempo e dar conselhos para si mesmo? Já quis ter coragem de falar como é forte o amor que sente por alguém? Alguma vez já se perguntou por que uma pessoa importante na sua vida parou de falar com você? A partir de contribuições anônimas, Emily Trunko reuniu nesta coletânea cartas que revelam segredos profundos de quem as escreveu. Afinal, muitas vezes o único jeito de lidar com nossos sentimentos mais intensos — seja um amor incondicional ou uma perda irreparável — é botando tudo no papel. A leitura destas cartas nos permite mergulhar na vida de seus remetentes e, ao mesmo tempo, redescobrir nossa própria história e perceber que, mesmo nos piores momentos, não estamos sozinhos. (Compre aqui)

Bom pessoal, esses foram os recebidos no mês de março. Desejo a todos um abril repleto de ótimas leituras e que a caixinha de correios de vocês fiquem bem recheadas nesse mês.

››

Facebook