Companhia de bolso

Resenha: A Insustentável Leveza do Ser

30 junho

Eu nunca tinha lido nada de um autor tcheco e quando me deparei com o livro A Insustentável Leveza do Ser decidi que precisava conhecer as obras de Milan Kundera. A minha experiência de leitura foi extremamente agradável, fluída e praticamente devorei o livro. Até o momento nunca tinha lido nada que descrevesse tão bem a alma humana, mostrando até as imperfeições. Apesar da existência de um romance não acredito que esse seja o principal tema do enredo e sim as pertinências da existência humana.
O livro conta com quatro protagonistas: Tomas, Tereza, Sabina e Franz. Cada um com sua singularidade e com um passado marcante, moldando assim personalidades distintas através do tempo. Tomas após o divorcio jurou que jamais se casaria novamente e dessa forma criou regras nas quais apesar de ter amantes regulares jamais se apega a nenhuma. Tomas representa a leveza até o momento em que conhece Tereza que representa o peso, ele se apaixona por ela e assim começa a carregar o peso. 
“Todos acreditamos que é impensável que o amor de nossa vida possa ser uma coisa leve, uma coisa que não pese nada; achamos que o nosso amor é o que devia ser; que sem ele a nossa vida não seria a nossa vida.”
Sabina é uma das amantes de Tomas e de certa forma a versão feminina dele, um ser leve e cheia de convicções. A princípio é apresentada somente como a amante de Tomas, a que mais o compreende e mais a frente no livro nos deparamos com seus pensamentos e ideologias. Franz só é apresentado na terceira parte do livro, e de certa forma representa o peso assim como Tereza. Porém não entrarei em pormenores sobre o Franz pois o contexto em que ele surge no livro de certa forma ocasionaria alguns spoilers. É através dos relacionamentos firmados que o autor mostra o peso que o corpo e a alma carrega após as escolhas. Diga-se de passagem não se pode afirmar qual é a melhor escolha (melhor caminho) a ser tomado já que a vida não permite ensaios.
“Não existem meio de verificar qual é a decisão acertada, pois não existe um termo de comparação. Tudo é vivido pela primeira vez e sem preparação. Como se um ator entrasse em cena sem nunca ter ensaiado. Mas o que pode valer a vida, se o primeiro ensaio da vida é a própria vida? É isso que leva a vida sempre parecer um esboço. (...)”
Nos deparamos então com personagens com perfis psicológicos densos, com teor filosófico e questionador, embarcamos ainda no contexto político vivido na Tchecoslováquia (atualmente  República Checa e a Eslováquia) na década de 1960. A maior parte da trama é ambientada em Praga atual capital da República Checa , na época estava tomada pela União Soviética. Logo, é impossível ambientar um romance naquela época sem mencionar política e Kundera faz isso em sua obra de uma forma clara, através de analogias com pensamentos de filósofos e até mesmo com histórias mitológicas.
Não quero fazer descrições extensivas sobre a personalidade dos personagens pois acredito ser impossível descrever todas as camadas que os compõem. Posso afirmar que esse é um daqueles livros que cada vez que se ler é possível ter uma visão diferente, além de ter uma compreensão mais ampla e aprender mais sobre seus personagens. Esse é um dos livros que pretendo reler em um futuro próximo.
O livro conta com a narrativa em terceira pessoa. Em alguns momentos parece que o narrador está conversando com o leitor, contando uma história. O narrador chega até explica como um personagem nasceu para o autor. Além disso, o mesmo fato é narrado mostrando as diferentes perspectivas, tais como a forma como Tomas e Tereza se conheceram pela visão dois, enriquecendo ainda mais a leitura.
A minha edição é da Companhia de Bolso e a diagramação é bem simples, a fonte é confortável, o espaçamento entre as linhas é bom e as folhas são amareladas.
Estava com um certo receio ao iniciar a leitura achando que a mesma fosse complexa e de difícil entendimento e me surpreendi nesse aspecto. Apesar de exigir um pouco mais de concentração devido ao teor filosófico e político, foi uma leitura extremamente agradável. Eu praticamente devorei o livro. Enfim, recomendo esse livro a todos que estão a procura de um clássico estrangeiro, gostam de personagens que possuem uma composição densa e gostam de refletir sobre a existência humana.

››

Martin Claret

Resenha: Um Estudo em Vermelho

28 junho

Um Estudo em Vermelho (A Study in Scarlet) publicado pela primeira em 1887 é o romance de estréia de um detetive bem conhecido mesmo que seja somente de nome. Foram nas páginas desse romance que nasceu o detetive Sherlock Holmes que vem conquistado leitores ao longo dos anos e sobrevivendo a várias gerações. Além disso, foram produzidas várias adaptações como filmes, peças teatrais, seriados para a TV, entre outros baseados nas obras de Sir. Arthur Conan Doyle. Sendo assim, quando comecei a ler já tinha grandes expectativas e posso garantir que não me decepcionei com a escrita do autor. Através da  narrativa fluída logo me vi envolvida na trama de mistérios e não pude mais interromper a leitura antes do fim.
Figura 1: Um estudo em vermelho
O romance é dividido em duas partes, a primeira é narrada pelo médico John H. Watson e a segunda parte é narrada em terceira pessoa. O romance começa a se desenvolver após Dr. Watson conhecer Sherlock Holmes e os dois passam então a dividir um apartamento. A princípio o médico não sabe ao certo qual a profissão do seu companheiro e começa a fazer uma lista dos prováveis conhecimentos do mesmo. Sherlock se revela de certa forma excêntrico e seletivo em relação aos seus conhecimentos, gosta de tocar violino e ocasionalmente recebe visitas. No decorrer do tempo Sherlock revela para o colega que é uma espécie de consultor para outros detetives, através do uso da lógica dedutiva e de seus conhecimentos científicos ele encontra a peça que falta no quebra-cabeça e indica quem de fato cometeu o crime.
Sherlock se apresenta com uma personalidade forte, é astuto, perceptivo e cheio de si. Ele sempre se mostra um passo a frente da polícia e através de suas observações minuciosas sempre consegue traçar o perfil de terceiros, o que surpreende muito o Dr. Watson. Movido pela curiosidade após receber um convite para auxiliar na investigação de um possível assassinato junto a Scotland Yard, ele e seu companheiro vão a cena do crime, uma casa abandonada onde fora encontrado um corpo. Não existe nenhum vestígio de roubo e nem agressão, nem sequer algo que indique a possível causa da morte. Inicialmente ele apresenta uma certa resistência em participar do caso, pois sabe que não receberá créditos por desvendá-lo, mas ainda assim movido pela curiosidade decide participar das investigações.
Eu não irei entrar em pormenores em relação ao enredo do livro para não estragar as surpresas ao longo da leitura e também não recomendo caso pretenda realizar a leitura que faça pesquisas no Google, pois é muito fácil se deparar com spoilers. Eu ainda não acompanho a série, mas já ouvi comentários que é bem fiel aos romances, exceto por ser ambientada nos tempos atuais, portanto para quem gosta da série acredito que irá apreciar a leitura.
Conan Doyle soube conduzir a trama de forma extremamente envolvente, além de se encontrar muitas vezes a frente de seu tempo ao utilizar alguns métodos científicos para auxiliar na resolução do crime. Sherlock por sua vez é um personagem cativante, mesmo com todas as excentricidades que apresenta em sua composição, fui conquistada por seu talento nato e seu faro aguçado. A narrativa conduzida pelo Dr. Watson me deixou bastante confortável e a medida que ele se surpreendia com as habilidades de seu colega de quarto eu também me sentia da mesma forma, o que possibilitou apreciar ainda mais a leitura.
Em relação a segunda parte da história que transcreve em terceira pessoa fatos que antecederam ao assassinato mais uma vez me vi surpreendida, tanto com a riqueza de detalhes quanto com a ambientação em outro país, sendo que a primeira parte é ambientada em Londres. Através dessa mescla foi possível ter uma dimensão ainda maior das motivações do assassino e como tudo caminhou até o momento do crime.
Figura 2: Ilustrações presentes no livro
A edição que li o primeiro romance faz parte da coleção Sherlock Holmes - Volume I da editora Martin Claret que reúne os quatro romances em um único livro e está impecável. Conta com a tradução e notas de Alda Porto. A presença das notas auxilia no processo de compreensão de alguns termos que não são tão habituais hoje em dia. O livro ainda conta com algumas ilustrações que conferem um charme adicional ao livro, além disso, conta com a ilustração da capa da revista em que o romance foi publicado pela primeira vez. O Volume 2 da coleção por sua vez reúne todos os contos do detetive.
 Figura 3: Capa da revista que publicou pela primeira vez Um Estudo em Vermelho (1887)

Enfim, para quem gosta de suspense e mistério acredito que irá se deliciar com as aventuras do detetive Sherlock Holmes e seu fiel companheiro Dr. Watson. Já estou ansiosa para realizar a leitura dos próximos romances. 

››

Charme

Resenha: Janeiro Proibido

25 junho

De Janeiro a Janeiro é uma série de doze contos escritos pela autora Aline Sant'ana que despertou a minha curiosidade para a leitura desde que li comentários maravilhosos a respeito dela. Cada conto tem o nome de um mês e foi escrito em homenagem as leitoras. A série já está finalizada e está disponível somente em ebook para a compra.
Janeiro Proibido conta a história de Gabriela e Raphael que são primos e foram criados juntos e com isso estabeleceram uma ligação especial. Durante muitos anos Gabriela guardou dentro de si o amor que sentia por Raphael, que de alguma forma sempre esteve por perto, mesmo a diferença entre eles sendo de sete anos. Raphael era aquele primo que brincava, protegia, sempre zelando por ela.  
Depois de algum tempo sem se verem, Gabriela o reencontra nas férias de janeiro, na casa de praia da sua tia e apesar de ambos não saberem como se comportarem um com o outro por causa de um beijo ocorrido debaixo da chuva, ambos sabem que o que sentem é proibido, intenso, mas eles não podem controlar os sentimentos. Porém, tudo fica mais complicado para Gabriela quando ela descobre que Raphael estava prestes a levar uma namorada para a casa da família e a partir daquele momento ela encontra-se determinada a mudar essa situação.
Janeiro Proibido é um conto leve e ao mesmo tempo encantador que me prendeu do inicio ao fim. Não dá mais para contar algo dele sem que se torne spoiler, mas é uma leitura que vale a pena cada momento. Apesar das poucas páginas, é muito bem escrito e ao chegar perto do final desejei ter um pouco mais desse conto pra ler. Não dá para lê-lo sem imaginar no quanto é lindo o amor que existe entre os dois, mesmo com tantas barreiras. Os personagens são bem construídos e alguns se tornam marcantes durante a narrativa. Depois desse conto, fiquei muito curiosa para conhecer os outros e espero gostar tanto quanto eu gostei desse. É simplesmente impossível não se apaixonar e é por isso que recomendo, sem dúvidas!

››

Imprensa Livre

Resenha: O Penúltimo Capítulo

23 junho

Já faz algum tempo que não leio autobiografia e ler o livro da Clarice foi uma grata surpresa. De uma forma sensível e tocante, acompanhamos a trajetória da autora que teve seus momentos de dor e alegria mediante as difíceis circunstâncias da vida. E em meio a tantas dificuldades, encontrei uma história de superação e fé.
Aos 18 anos, Clarice era uma jovem cheia de planos. Com um namoro sério, fazendo um curso de psicologia e com muita vontade para realizar seus sonhos, tudo o que ela queria ela colocar em prática todos os valores aprendidos com seus pais e aos poucos construir seu futuro.
Em uma viagem para São Leopoldo, Clarice vê a sua vida mudar após o acidente de carro ocorrido em Taquari, deixando-a em coma por alguns dias e em estado grave. Apesar de não estar preparada para o que aconteceria, Clarice descobriu que estava tetraplégica e mesmo com a dificuldade de lidar com o diagnóstico, ela e sua família sempre tiveram a esperança de mudar essa situação.
Narrado em primeira pessoa, O Penúltimo Capítulo traz a história da jovem Clarice e da sua convivência com a tetraplegia. A esperança da cura, os medos, as situações de desespero e a luta diária fazem desse livro um testemunho de vida maravilhoso.
Aos poucos, Clarice vai seguindo em frente, alcançando novos sonhos e criando novos propósitos para a sua vida. Através da fé, ela vai trilhando um novo caminho.
Várias pessoas importantes na vida da autora tem um lugar especial no livro, e é possível perceber o quanto elas contribuíram no amadurecimento e ao mesmo tempo nunca deixaram a esperança de lado.
Com uma edição simples, a capa maravilhosa com a borboleta me chamou a atenção desde o primeiro instante e o título trouxe a ideia de uma história ainda em construção. As folhas são brancas e as letras são de um bom tamanho. O livro é dividido em poucos capítulos que dão ênfase aos momentos mais marcantes da vida da autora.


Portanto, se você procura uma história de fé, esperança e superação, com uma narrativa real e ao mesmo tempo de aprendizagem, O Penúltimo Capítulo é o livro que indico para você.

››

Parceria

Parceria: Editora Évora

22 junho

O blog Um Rascunho a Mais tem a satisfação de anunciar mais um acordo de parceria, dessa vez com a Editora Évora. Acreditamos que a parceria será de extremo sucesso para ambos. O selo Évora é voltado para negócios e assuntos técnico-científicos. A editora conta com mais dois selos Generale e Folia de Letras. O primeiro é voltado para livros de ficção e não ficção dos mais diversos gêneros. Já a Folia de Letras publica livros voltados para a literatura infantil.




Fundada em 2010, possui um catálogo diversificado visando atender um público amplo levando conteúdos de mídia interessantes e inovadores. Vamos falar um pouco sobre algumas obras da Editora? Abaixo uma breve discrição de alguns.
Se você gosta de rock provavelmente gosta de Pink Floyd, logo precisa conhecer o livro Nos Bastidores do Pink Floyd escrito por Mark Blake.

A vida e a música Roger Waters, David Gilmour, Nick Mason, Richard Wright e Syd Barrett, assim como seus conflitos, neuroses, medos, paixões e vitórias, são esmiuçados, em um relato que impressiona pela riqueza de detalhes.
Se você gosta de livros que motivam, o livro do empresário da área de Tecnologia de Informação Gutti Medonça é uma ótima indicação.


Com personagens marcantes, o livro mostra o quanto somos capazes de transformar o mundo para o bem ou para o mal. Essa história emocionante faz com que tenhamos uma visão mais clara das pessoas que devemos dar valor e das mudanças que devemos buscar em nós mesmos.
Se interessou pelos títulos da editora, conheça o catálogo completo clicando aqui. Conheça a fan-page da editora clicando aqui.

››

Galera Record

Resenha: Se o Sapatinho Servir

21 junho

Essa resenha contém Spoilers para quem ainda não leu o primeiro livro A Mais Bela de Todas da Série Era Outra Vez. Para quem ainda não conhece o primeiro livro, clique aqui.

Depois de ter me aventurado na leitura do livro A Mais Bela de Todas, não poderia deixar passar a oportunidade de conhecer o segundo livro dessa série que ainda está sendo publicada no Brasil. De todos os contos de fadas, Cinderela é o meu favorito e eu estava bem curiosa para conhecer essa nova versão da Sarah Mlynowski.
De volta para casa, após a aventura incrível que os irmãos Abby e Jonah viveram na história de Branca de Neve, tudo o que eles queriam era poder voltar para vê-la novamente. Durante três noites eles vestiram suas roupas e desceram até o porão batendo no espelho, mas nada aconteceu. Apesar de Jonah e Abby não terem ideia do que estava acontecendo, eles guardavam uma pontinha de esperança para fazer a viagem, que não era só um sonho: eles tinham certeza que tinham vivido cada momento.
Na quarta noite, Abby já não tinha mais tanta esperança de voltar na história. O espelho não contribuía e algo de muito errado estava acontecendo. O único motivo pelo qual ela segue Jonah até o porão é para que o irmão desista dessa viagem de uma vez por todas, apesar de que no fundo ela desejava estar de volta em Zamel, onde conheceu a Branca de Neve.
E é nessa última tentativa, que o espelho leva os irmãos para dentro de um armário e logo eles são avisados pelo homem dos casacos que estão em Flom. Sem saber que lugar é esse, os dois irmãos tentam descobrir e ao verem uma mulher com um lindo vestido de baile e seu acompanhante, Abby descobre que eles estão na história de Cinderela.
Se o Sapatinho Servir é uma leitura leve e envolvente da história da Cinderela, mas ao contrário da original, essa tomou um rumo completamente inesperado e a criatividade da autora foi o toque especial no livro. Assim como Branca de Neve, Cinderela também é adolescente e o encontro de Abby e Jonah com ela é no baile, mas ao contrário da confusão que eles cometeram em Branca de Neve, dessa vez eles preferiram ficar longe para evitar mudar a história, mas mesmo assim não teve jeito. Eles bagunçaram mais uma vez e vão fazer de tudo para arrumar a própria confusão, ou então Cinderela não conquistará o seu final feliz.
O livro é narrado em primeira pessoa pela Abby, e é possível visualizar o conto de Cinderela de forma fantástica nesse livro. Os personagens do conto original ganharam uma versão mais interessante e até a fada-madrinha foi repaginada, apesar de todos manterem a sua forma de ser. Um dos pontos interessantes do livro é que a autora mesclou bem a realidade com os contos de fadas, além de criar uma nova versão em que o final feliz da Cinderela foi bem próximo do mundo real.
Para quem gosta de contos de fadas, diversão e muitas aventuras, Se o sapatinho Servir pode ser uma ótima leitura. Com personagens bem construídos do mundo infantil e uma adaptação de um dos contos mais conhecido no mundo inteiro, sem dúvidas recomendo!

››

Chiado

Resenha: Mãos Livres

18 junho

Mãos Livres escrito por Francine S. C. Camargo foi cedido ao blog em parceria com a autora. O livro é uma coletânea de contos e crônicas que abordam os mais diversos temas, de assuntos corriqueiros e banais até sentimentos complexos e difíceis de serem descritos. Tudo isso de uma forma leve, simples e deliciosa. Somos então convidados a embarcar em um universo único no qual nos sentimos como se estivéssemos conversando com uma amiga de longa data.

Francine é médica pediatra, mãe, esposa e desde a infância uma leitora voraz. Sempre gostou de escrever e através do uso do lirismo se expressa sobre os mais diversos assuntos. Acredita que é preciso ter paixão em tudo que se faz, caso contrário não vale a pena. Através das páginas de seu livro vamos nos sentindo cada vez mais próximo da autora e conhecendo-a melhor.
“E meu caminho não é de pedra, é desenhado por lágrimas distantes. Felizmente, carrego meus calos, e deixo longe minha pressa. Meu sorriso é a curva mais sincera que você pode encontrar, portanto, não queira compreender, nem traduzir o que não sabe ler, pois corre assim o risco de ser devorado.”
A medida que mergulhamos na leitura vamos percebendo o quanto a autora tem talento para a escrita, e em meio as páginas nos sentimos confortados e bem acomodados. Em seus textos percebemos presença sutil de grandes referências literárias que a autora teve contato ao longo da sua formação como leitora. Durante a leitura nos deparamos com algumas citações de frases de autores consagrados (Clarice Lispector, Fernando Pessoa, Mario Quintana, Victor Hugo, entre outros) e alguns trechos de músicas, ampliando e qualificando ainda mais a experiência de leitura.
“...Como se nada pudesse me fazer parar, como se fosse criar garras para lutar. Decerto, deparo com um abismo e aí , estou pronta, prontinha para voar.”
Entre um pensamento e outro nos deparamos a doçura do olhar de uma criança que ainda está conhecendo o mundo, ao mesmo tempo que esse mesmo olhar reflete na atual realidade. Conhecemos seus medos, angústias, a dor da perda e como isso influenciou na escolha de sua especialização. Visualizamos a beleza através de assuntos corriqueiros e nos pequenos detalhes da vida, tal como um mergulho de um cãozinho em um dia comum. Nos identificamos com a descrição de sentimentos como o amor e a amizade. Nos questionamos sobre o momento certo de dizer “eu te amo” e o quão difícil é proferi-las no momento errado.
“Até que era natural cantá-la nas canções, ler nos livros, ouvir nos filmes, repetir em bom som ao espelho, mas quando apoderava-se dela, quando o “eu te amo” tornava-se responsabilidade sua, ah, daí não havia como proferi-lo.”

A publicação do livro foi realizada pela Editora Chiado. A edição não é repleta de detalhes, é simples, porém a fonte é bem confortável e as folhas são amareladas. A medida que vamos imergindo na leitura vamos percebendo o quanto a capa condiz com a leitura, a compreensão dos sentimentos, as motivações, a fusão do passado com o presente, a dor da perda e as mãos livres, prontas para qualquer situação que vier a afligir. A leitura é leve e fluída e é possível ser realizada em poucas horas, mas eu recomendo que seja feita com apreciação, deguste as palavras e reflita sobre elas, sem dúvidas a experiência de leitura será ainda melhor. Enfim, recomendo a leitura a todos.



››

Sobre Livros

Desafio: 15 autores que me marcaram

17 junho

Fui desafiada no facebook a listar 15 autores que me marcaram. Decidi responder o desafio aqui no blog. Não sei quem criou o desafio para fazer referência, mas gostei bastante da brincadeira.
As regras são: Não demorar muito para pensar sobre isso. Quinze autores que influenciaram você e sempre ficarão com você.
Então vamos a minha lista:

  1. J.K. Rowling: eu nem preciso falar, sou Potterhead de carteirinha desde a infância para a vida toda. “- After all this time? - Always.”
  2. Markus Zusak (A menina que roubava livros): foi um livro que me marcou muito. Afinal: “Quando a morte conta uma história, você deve parar para ler.".
  3. Dan Brown: foram os livros que despertaram meu interesse por desvendar mistérios.
  4. Agatha Christie: Agradeço eternamente por ter criado Hercule Poirot e Miss Marple.
  5. Sir. Arthur Conan Doyle: “Elementar meu caro Watson.” Lógico que não poderia faltar nessa lista.
  6. Isaac Asimov: comecei a ler os livros dele a pouco tempo, mas já estão na minha lista de preferidos.
  7. Fernando Sabino (O Menino no Espelho): foi um livro que me marcou bastante, apesar da linguagem simples apresenta uma mensagem complexa.
  8. Jostein Gaarder (O mundo de sofia): quando eu li tinha cerca de doze anos e eu não consegui parar enquanto não cheguei nas últimas páginas.
  9. Clarice Lispector: Adoro a escrita dela, a personalidade, os contos, as crônicas… enfim, tudo.
  10. Pedro Bandeira: me diverti muito lendo os livros dele na minha infância.
  11. Philip Pullman: quando eu li a série Fronteiras do Universo já estava na adolescência, mas foram livros que me encantaram.
  12. Sue Monk Kidd (A vida secreta das Abelhas - A invenção das asas): uma autora que me conquistou com a sua escrita sensível e suas pesquisas para escrevê-los.
  13. John Boyne (O menino do Pijama Listrado): o primeiro autor que me fez derramar muitas lágrimas.
  14. Baum (O mágico de Oz): eu pude reler a pouco tempo esse livro e me recordar o quanto gostei dele na minha infância.
  15. Milan Kundera: como alguém pode descrever tão bem a alma humana?

Os autores não estão listados em uma ordem de preferência, seria uma tarefa impossível. Então, gostou da brincadeira? Se quiser fazer o desafio fique a vontade, me conte nos comentários ou deixe o link do local que fez o desafio.

››

HQs/Mangás

Resenha: Ms. Marvel Nada Normal

16 junho


Sempre gostei do universo de super heróis criado pela Marvel e pela DC Comics, porém ainda não havia me aventurado nas histórias em quadrinhos (HQs) que deram origem a esse universo. Estamos vivendo uma fase que os filmes e seriados de super heróis estão em evidência, temos cada vez produções mais fantásticas e de extrema qualidade, eu estou adorando e aguardando ansiosa por várias produções. Cresci assistindo desenhos animados da Liga da Justiça, X-men, entre outros. Atualmente acompanho séries como Arrow, Flash e DCs Legends of Tomorrow. É perceptível como o público alvo dessas franquias abrange todas as faixas etárias, não sendo mais classificado apenas como infantil.
Para iniciar a minha aventura nesse universo decidi comprar a HQ da “Ms. Marvel - Nada Normal” e foi uma leitura super agradável. Em 2015 a Panini Comics começou a lançar a coleção de encadernados intitulada Nova Marvel, novos personagens foram inseridos, uniformes mudaram e algumas equipes foram rearranjadas. Sendo assim, Kamala Khan faz parte da Nova Marvel e não é a primeira personagem a dar vida a Miss Marvel, anteriormente o codinome foi usado por Carol Danvers que em seguida passou a integrar a equipe dos Vigadores e depois dos X-men.
Kamala foge de todos os padrões de super heroína, ela ainda é uma adolescente perdida em meio as crises da idade e está em busca da sua própria identidade. Apesar de ter sido criada nos Estados Unidos a origem de Kamala é muçulmana, ela não usa uma roupa sexy e não aparenta ser uma super modelo como as heroínas que estamos habituados. Ela adquire os poderes de uma forma inusitada quando uma estranha névoa cobre New Jersey, porém ela começa a viver grandes dilemas. Quem de fato é? Quais as implicações que irão acompanhar suas novas habilidades? Como ela irá lidar com tudo isso?
Os encadernados contam com as edições de 1 a 5 de Ms. Marvel. A capa da edição é linda e de cara já me conquistou, as ilustrações e todos os elementos do trabalho gráfico estão sensacionais. A leitura é fluída, leve e divertida. Além disso, apresenta grandes lições como a aceitação, a busca do auto-conhecimento e o desenvolvimento da auto-confiança. Acompanhamos então a adolescente desde o princípio, como era a sua vida “normal”, a pós aquisição dos poderes e como lida com toda a situação.


Enfim, gostei bastante da construção da Nova Marvel, indico para todos que também gostam desse universo. Para quem tem interesse em embarcar no mundo dos HQs esse é um ótimo começo.



››

Gutenberg

Resenha: Faça amor, não faça jogo

14 junho

Sabe aqueles livros que você se apaixona? Que durante a leitura você precisa parar várias vezes somente para abraçá-lo? Que você quer que todo mundo leia? Sem dúvidas Faça amor, não faça jogo é esse livro. Escrito por Ique Carvalho autor do blog The Love Code, o livro possui uma narrativa sensível e profunda que ao longo da leitura nos desperta diversos sentimentos e nos faz questionar o porquê de muitas situações que ocorrem na nossa vida em diversas fases. Como tema central é abordado o amor em suas diversas formas.
Já conhecia o blog do Ique, logo conhecia alguns textos que estão presentes no livro, mas a forma no qual foram organizados possibilitou uma maior emoção durante a leitura. Para cada texto tem uma sugestão de música para acompanhar a leitura, assim como no blog. É possível acessar a música via código QR ou basta fazer uma busca no youtube. Nem preciso dizer que todas as músicas selecionadas são lindas e ampliam a experiência de leitura para um nível de emoção ainda maior.
Para falar desse livro precisamos conhecer um pouco da história do autor. Ique tinha acabado de ser dispensado por uma namorada e dias depois seu pai, Juarez, foi diagnosticado com uma doença degenerativa, os médicos estimaram que ele viveria por apenas trinta dias. Ele sobreviveu por mais três anos e os dois viveram todos os dias ao longo desses anos como se fossem o último. Em um determinado momento Juarez já não mais conseguia falar, Ique disposto a ajudá-lo a se comunicar comprou um iPad e começaram a conversar escrevendo um para o outro. Dessa forma, Ique percebeu que o seu pai tinha o dom para escrever e começou a postar alguns dos textos dele no seu blog e foram um sucesso. Além disso, o maior sonho de seu pai era publicar um livro, Faça amor, não faça jogo é a realização desse sonho.
A edição está sensacional, não tem defeitos. As páginas são amarelas, fonte confortável e antes de cada texto tem duas páginas vermelhas com o título e o código QR para acessar a música. A leitura é fluída e prende o leitor do início ao fim. Os textos são curtos, porém extremamente reflexivos e apaixonante.



Ique é um romântico, assim como o seu pai. Eles conseguem descrever o amor de uma forma tão pura, descomplicada e tão sincera que nos perguntamos por que todos não enxergam esse sentimento da mesma forma. Ao longo da leitura eu queria grifar tudo, todos os textos são lindos. Indico esse livro para todas as pessoas que estão passando por um momento difícil na vida, que estão desacreditados, para quem acredita no amor e para quem já gosta dos textos do Ique, vale a pena! 


››

Resenha

Resenha: Namorado de Aluguel

12 junho

Esse livro despertou a minha curiosidade para a leitura desde que eu vi a capa e logo depois a sinopse que chamou ainda mais a minha atenção. Eu já tinha lido alguns comentários a respeito dele e fiquei bem empolgada para começar a leitura. De uma forma leve e divertida, Kasie West traz um young adult encantador para os fãs do gênero.
Gia Montgomery é a garota mais popular do colégio e no dia do seu baile de formatura, seu namorado Bradley termina com ela no estacionamento afirmando que ela se importava mais com a opinião das amigas do que com ele.
Desesperada com o fim do namoro e precisando provar para as amigas que o Bradley não era só uma invenção da sua cabeça, a oportunidade perfeita aparece quando Gia percebe um garoto parado dentro do carro no estacionamento e o implora para que seja o seu namorado "Bradley" durante aquela noite.
Apesar da resistência inicial, ele aceita a proposta de Gia e juntos eles vão para o baile. Quem não aceita bem essa história é a Jules, uma das "amigas" de Gia que faz de tudo para dificultar a vida da garota. E é através desse encontro que Gia vai passar a pensar cada vez mais no substituto de Bradley e está disposta a encontrá-lo mais uma vez, porém ela não sabe o seu verdadeiro nome. A única pessoa que pode ajudá-la a encontrá-lo é a irmã do garoto, Bec, mas ela não é exatamente uma fã da Gia.
Namorado de Aluguel é um livro bem leve e fofo que apesar de trazer uma narrativa previsível, encanta pela sutileza da história. Gia é uma garota que apesar de toda a sua popularidade, tenta mostrar para todos uma vida perfeita que não tem. Inicialmente ela vive dentro de sua própria bolha, sem ter coragem de sair, mas aos poucos vai se conhecendo e amadurecendo o seu ponto de vista, tentando ver além do seu próprio mundo. Seus pais tentam passar uma mensagem de família feliz, seu irmão não age como deveria e ela necessita da aprovação dos outros o tempo todo.
O livro é narrado em primeira pessoa pela visão da Gia e o único ponto negativo é que poucos personagens me agradaram. Exceto Gia e o garoto com a família, a maioria revelou mais defeitos do que qualidades. Um dos pontos interessantes foi o mistério em torno do nome do garoto que demorei um pouco para descobrir e por isso não contei aqui.

Portanto, se você procura um livro com uma leitura rápida e leve, com protagonistas fofos que lembram os filmes da Sessão da Tarde, esse livro é altamente recomendável para você!

››

Filmes

6 Filmes Para Assistir no Dia dos Namorados

11 junho

Olá pessoal, tudo bem?
O Dia dos Namorados já está chegando e não poderíamos deixar de falar dessa data tão especial. Como ainda não indicamos nenhum filme para vocês essa é a primeira postagem e esperamos que seja a primeira de muitas. Assim como livros, também amamos filmes e foi pensando nisso que trouxemos para vocês 6 filmes que vale a pena assistir nesse dia tão especial.

Cartas Para Julieta

 
Cartas para Julieta é um filme lindo e para quem gosta de Romeu e Julieta, esse filme se torna ainda mais especial. É uma bela visita a cidade de Verona, na Itália e acompanhamos lindas histórias de amor como a de Claire (Vanessa Redgrave) e Lorenzo. O filme é estrelado por Amanda Seyfried e Christopher Egan. Sem dúvidas, vai conquistar ainda mais o seu coração.

                       

Idas e Vindas do Amor


Idas e Vindas do Amor se passa no dia dos namorados e é estrelado por grandes atores, narrando diversas histórias. O filme já começa com um pedido de casamento de Reed Bennett (Ashton Kutcher) a sua namorada Morley Clarkson (Jessica Alba) e eufórico por ela ter aceitado, as outras histórias vão ganhando espaço.



As Sete Regras do Amor


Antes de morrer, a mãe de Amy (Kimberly Williams) elaborou um roteiro para que a filha, na época com 7 anos, vivesse bem sem sua orientação. No roteiro, estava especificado algumas coisas que Amy deveria fazer e só podia se apaixonar pelo 7º namorado. Amy segue fielmente as instruções e, já adulta, conhece Daniel (Brad Rowe) e querendo ficar com ele, ela elabora um plano para que ao invés dele ser o 6º torne-se seu 7º namorado. Nem é preciso dizer o quanto esse filme é lindo, vale a pena assistir!


A Proposta 


Margaret Tate (Sandra Bullock) é uma poderosa editora de livros, que se vê em apuros ao ser comunicada de sua deportação para o país-natal, o Canadá. Para evitar que isto ocorra ela declara estar noiva de Andrew Paxton (Ryan Reynolds), seu assistente. Perseguido por Margaret há anos, ele aceita participar da farsa mas impõe algumas condições. Esse filme é uma verdadeira comédia romântica e não tem como não se divertir com a chefe megera e o funcionário que sonha em ter o livro publicado.


Quando em Roma


Beth Harper (Kristen Bell) é uma bem-sucedida curadora de arte sem muita sorte no amor. Em Roma para o casamento da irmã, ela conhece o charmoso repórter Nick (Josh Duhamel) e visita a Fontana D'Amore, onde ao invés de jogar uma moeda como manda a tradição, decide roubar algumas que estavam no fundo. A partir de então vários homens passam a persegui-la dizendo-se apaixonados. Inclusive Nick. Mais um filme que tem o cenário de Roma e com uma protagonista sem sorte no amor. Com certeza, você vai amar esse filme!


Muito Bem Acompanhada


Há 2 anos atrás Kat Ellis (Debra Messing) foi abandonada no altar. Agora sua irmã, Amy (Amy Adams), está prestes a se casar e terá como padrinho de casamento justamente seu ex-noivo. Decidida a demonstrar ter superado o abandono, Kat contrata Nick Mercer (Dermot Mulroney) como seu acompanhante no casamento. O que Kat não esperava era que Nick conquistasse a simpatia de sua família, demonstrando ser um genro perfeito e objeto de desejo de qualquer mulher. Aos poucos ela nota que a relação que possui com Nick, que era para ser de fachada, torna-se cada vez mais séria. Um acompanhante de aluguel pode parecer um pouco clichê, mas mesmo assim não tira a qualidade do filme que está na lista de favoritos!


E vocês? Já assistiram algum desses? Conta nos comentários, e se tiver outras dicas de filmes deixe também. Queremos saber a opinião de vocês.
››

Paralela

Resenha: O Acordo

10 junho


Depois das minhas últimas leituras, posso dizer que realmente estou sendo feliz em minhas escolhas. O Acordo foi uma leitura que comecei tranquilamente e aos poucos o livro tomou conta da minha atenção e fiquei ansiosa para terminar a leitura que em poucas páginas  havia me conquistado. Não conhecia a autora, mas fiquei bem empolgada para conhecer as outras obras dela, depois desse livro incrível.
Garret Graham é capitão do time de hóquei e depois do fracasso na nota da prova de Ética e Filosofia, precisa correr atrás para recuperar a nota perdida e continuar bem no time. O problema é que assim como ele, muita gente não sabe a matéria, exceto Hannah, uma garota da sala dele que ele não conversava.
Hannah é estudante de música, tem uma linda voz, é inteligente e é muito dedicada. Ela está ensaiando para a apresentação do Festival de Inverno e precisa muito do dinheiro para continuar mantendo as despesas da universidade e ganhar uma bolsa de estudos integral.
Apesar de serem completamente diferentes, Hannah era a única que poderia ajudar Garret com a nota, exceto por um detalhe: ela é totalmente imune a ele.
Em meio a perseguições e o desespero de Garret, ele acaba descobrindo algo que pode fazer Hannah mudar de ideia. Então eles fazem um acordo. Ela ajudará Garret a recuperar a nota e em troca, ele a ajudará se tornar popular para conquistar Justin Kohl. E é nesse tempo entre estudos, saídas e amizade que surge um sentimento entre eles que pode mudar o plano dos dois.
O Acordo é um daqueles livros que comecei por acaso e passei a leitura inteira com um sorriso no rosto.É impossível não se apaixonar pela história e ao mesmo tempo pelos seus personagens. Hannah é uma garota que apesar de toda a sua determinação tem um passado complicado. Garret também é cheio de segredos, marcado por cicatrizes. Ambos não são perfeitos, mas quando estão juntos, são perfeitos um para o outro.
Apesar de abordar temas pesados, a autora não enfatiza a dor dos personagens o tempo todo. Cada um com suas limitações encontrou uma forma de seguir em frente, mesmo com um passado tão cruel.
Vale ressaltar que a atração entre eles não é imediata. Hannah não suporta Garret e o acha muito arrogante, pois ele vive cercado de mulheres, é lindo e como se não bastasse, ele tem total consciência disso.  E a amizade que vai nascendo aos poucos entre eles, foi um ponto que amei no livro.
O Acordo é um New Adult maravilhoso, que mesmo com os clichês do gênero, me despertou diferentes emoções durante a leitura. Narrado em primeira pessoa, o livro alterna entre Garret e Hannah, ajudando muito na compreensão do ponto de vista dos dois.
O livro faz parte de uma série que está sendo publicada no Brasil com o nome Amores Improváveis e no momento só o primeiro foi publicado. A série é dos jogadores de hóquei e os outros livros vão contar as histórias de Logan, Dean e Tucker que dividem a república com Garret e estou ansiosa pra ler, já que eles aparecem um pouco nesse primeiro livro.
Portanto, para quem procura uma leitura divertida e ao mesmo tempo cheia de emoções , com personagens incríveis O Acordo é a escolha certa, com certeza!
››

Parceria

Parceria: Autografia

08 junho

O blog Um Rascunho a Mais tem a satisfação de anunciar a parceria com a Editora Autografia. A editora conta com um catálogo incrível para agradar os mais diversos gostos, além disso, acredita assim como o nosso blog nos autores nacionais. Estamos extremamente felizes em realizar essa nova parceria e acreditamos que será de muito sucesso. Vamos falar um pouco sobre alguns lançamentos da editora?

Através do livro "A Cobertura" o Jorge Eduardo Magalhães retrata a família Madeira Ortiz. Apesar de já terem vivido tempos de glórias agora a situação financeira da família é outra, porém insistem em viver como se ainda tivessem uma vida glamourosa. Conheça a sinopse. 


Sinopse: A Cobertura retrata a frustração e a decadência financeira e humana de uma forma cruel, mas ao mesmo tempo com traços de humor. A peça se passa na época atual e é toda ambientada em uma espaçosa cobertura na Zona Sul do Rio de Janeiro, com vista para o mar e com aspecto visivelmente decadente. Na cobertura vive a falida família Madeira Ortiz, composta por Yolanda, a matriarca; Lisandra, a filha mais velha; Raul, o marido de Lisandra e Sofia, a irmã caçula e a única que não vive na cobertura. A família, que já perdeu toda a fortuna e não tem como se manter no prédio, vive de aparências e de passado. Embora a decadência e a falência sejam claramente visíveis. Os Madeira Ortiz vivem num mundo irreal como se ainda vivessem uma vida de glamour, presos a um passado em que ainda eram ricos e donos do luxuoso Ipanema Palace Hotel. Lisandra vive entre dois mundos: o imaginário e o real. No imaginário, Lisandra ainda pertence à alta roda; Raul, um bem sucedido empresário dono de cassinos em Las Vegas e na América do Sul e a filha Suzana que namora Sérgio, um rapaz de família abastada. No real, a família não tem mais nada. Nesta família, a única que assume a falência e vai à luta é Sofia, a irmã mais nova de Lisandra. O texto dramático oscila entre glamour e decadência, autoengano e realidade, com um final surpreendente e arrebatador.
O “Menino Radioativo” traz uma coletânea de histórias reais e surreais vividas pelo autor em sua infância e no início da sua vida adulta. Conheça um pouco mais sobre esse livro.

Sinopse: Um encontro inusitado com o Lobisomem de Visconde de Mauá, a inesperada visita de um MIB em busca de extraterrestres, a descoberta de um tesouro perdido da Segunda Guerra Mundial, o poderoso banho quebra feitiço da Mãe Juraci, uma combustão inexplicável durante uma cirurgia quando seria intitulado como O Menino Radioativo... Essas e outras divertidas histórias reais e surreais, vivenciadas pelo autor da infância (na criativa década de 80) ao início da fase adulta (nos apocalípticos anos 2000), provam que o inacreditável e o fantástico podem habitar nossos universos particulares. Apesar do título pueril, esta não é uma obra infantojuvenil! Com uma abordagem leve e bem-humorada, vale-se de uma linguagem extremamente coloquial e despudorada! Para ser lida em uma aconchegante cafeteria, sentado à sombra de uma aroeira ou esparramado em uma rede, em uma chuvosa tarde de domingo.
O catálogo da editora você pode acessar clicando aqui. Vale a pena conferir!



››

Facebook

Instagram