Resenha: Mentirosos

14 janeiro


Sinopse: Os Sinclair são uma família rica e renomada, que se recusa a admitir que está em decadência e se agarra a todo custo às tradições. Assim, todo ano o patriarca, suas três filhas e seus respectivos filhos passam as férias de verão em sua ilha particular. Cadence - neta primogênita e principal herdeira -, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat são inseparáveis desde pequenos, e juntos formam um grupo chamado Mentirosos.Durante o verão de seus quinze anos, as férias idílicas de Cadence são interrompidas quando a garota sofre um estranho acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, depressão, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos. Toda a família a trata com extremo cuidado e se recusa a dar mais detalhes sobre o ocorrido… até que Cadence finalmente volta à ilha para juntar as lembranças do que realmente aconteceu.

Já faz um tempo que comprei o livro “Mentirosos” da autora E. Lockhart, porém estava sempre adiando a leitura mesmo depois de ler tantas críticas positivas, motivada a mudar essa realidade adicionei-o a minha meta de leituras de 2017. O livro é um young adult (YA) de suspense com uma narrativa que prende a atenção dos leitores.
A família Sinclair aos olhos da sociedade é perfeita, eles tentam ao máximo não transparecer que estão em decadência e que o relacionamento entre eles é amoroso. Todos os anos a família se reúne nas férias de verão em uma ilha particular, cada membro fica em sua respectiva casa com os filhos e o patriarca fica na casa principal. Cadance é a neta mais velha e provavelmente a herdeira principal do patrimônio da família, ela é narradora da história e irá lembrar sobre as aventuras vividas com os primos Johny e Mirren e o amigo Gat na ilha durante a infância e a adolescência, eles nomearam o grupo de ‘Mentirosos’.
Aos 15 anos Cadence sofreu um acidente que interrompe o período de férias na ilha, ela não se lembra o que de fato aconteceu e segue a vida sentindo fortes dores de cabeça e com depressão. Dois anos após o acidente ela retorna a ilha disposta a completar as lacunas que faltam em sua memória, já que seus familiares decidiram que não iriam contá-la sobre, os mentirosos também evitam o assunto e assim ela segue sozinha tentando descobrir o que aconteceu na noite do acidente.
A medida que Cadence vai avançando em sua investigação os demais personagens são apresentados com maiores detalhes e assim o leitor começa a se envolver nos segredos que eles guardam e compreender a motivação de cada um e os papéis que representam. O afeto demonstrado entre os membros da família é mínimo, exceto entre o grupo, pois eles possuem uma bela amizade.
O enredo é envolvente, senti a necessidade de descobrir a verdade junto com Cadence, gostei tanto que realizei a leitura em poucas horas. Porém, preciso confessar que alguns pontos me impediram de classificar a história como favorita. O final deixou a desejar, esperava algo mais impactante, um jogo de intrigas maior. O ápice já foi usado em outros livros por outros autores, não é algo novo e possibilita inúmeras possibilidades, mas ainda assim existem formas de aplicá-lo em um contexto e levar o leitor a se surpreender. Lockhart poderia ter explorado melhor os sentimentos dos personagens, na minha opinião o final ficou vazio, parece que nada foi acrescentado, sem discernimento do certo ou errado, faltaram debates sinceros entre os personagens e algumas situações mais espontâneas.
Não me levem a mal, mesmo com os pontos negativos que levantei o enredo é bom, me simpatizei com a protagonista e gostei bastante do Gat, ele foi o único que tinha uma percepção adequada de como a família era de verdade, afinal ele estava de fora e é mais fácil enxergar assim. O fato do livro ser voltado para um público mais jovem acaba impedindo que questões mais intensas sejam levadas em consideração ao longo do desenvolvimento e é necessário que o livro seja mais leve. Olhando dessa perspectiva os elementos apresentados na trama são bem dosado e a leitura evolui em um ritmo bom, os fatos são apresentados no momento adequado e a personagem tem atitudes condizentes com a sua idade. O romance apresentado é leve e gostoso de se acompanhar.
A edição do livro é simples, mas a capa é linda, é metalizada e apresenta alguns adolescentes desenhados de costa. A diagramação e a fonte utilizada são confortáveis e impressas em papel polén.
Por fim, reafirmo que “Mentirosos” é um bom livro, tem as suas falhas, mas apresenta um enredo envolvente e traz a tona aquela necessidade de se descobrir a verdade. A leitura foi agradável e fluida, valeu a pena conhecer um pouco sobre os Sinclair.

Você pode gostar

4 comentários

  1. Que legal e sua critica :3
    Nao conhecia esse livro, mas gosei do seu ponto de vista <3


    http://diariodelolivlet.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita!
      O livro é bom, vale a pena conhecer!
      Beijos

      Excluir
  2. Oi Carol, tudo bem?
    Gostei do enredo, parece ser uma ótima história!

    Beijoooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cecy,
      É bom sim, espero que confira e realize a leitura.
      Obrigada pela visita!
      Beijos

      Excluir

Facebook

Instagram