Resenha: Circo Mecânico Tresaulti

30 maio


“O circo mecânico Tresaulti” da autora Genevieve Valentine foi um livro que me tirou totalmente da minha zona de conforto e me surpreendeu de forma positiva. O enredo traz um universo distópico devastado por uma guerra e em meio a todos os horrores um circo se mantém na estrada, mas esse não é um circo comum, alguns de seus integrantes tem partes do corpo substituídas por engrenagens, essas modificações são feitas visando que o número seja ainda mais belo e perfeito, levando alegria mesmo em tempos difíceis. A responsável pelo circo e pelas modificações é Boss, uma mulher imponente que sempre usa um vestido longo e casaco de lantejoulas.
“A ideia do homem-de-metal atrai o público, todavia, não posso negar. Toda vez que ando pelo que hoje chamam de cidade e coloco um cartaz em uma parede bombardeada ou outra, as pessoas saem de trás de suas portas trancadas só para darem uma olhada de relance.”
Todos os personagens são endurecidos pela guerra, todos trazem consigo uma bagagem emocional diferente e é no circo onde encontram refúgio e deixam de lado as atrocidades que precisavam fazer para sobreviverem a guerra. Aqueles que não são modificados costumam ficar por pouco tempo, mas aqueles que Boss dá uma nova vida eles seguem fiéis ao circo. Alguns possuem mais metais que os outros, tudo isso depende da forma como chegam ao circo e de acordo com os números que executam.
“Alguns momentos são infinitos e aterrorizantes, mesmo que deem certo no final.”
O foco principal são as relações que são construídas no meio circense e como as pessoas são afetadas pela guerra, moldando a forma como vêem a vida e os laços afetivos que irão estabelecer daquele ponto para a frente. O tema é bem dissecado e transporta o leitor para dentro da ambientação proposta, é possível imaginar o circo, o clima e seus integrantes com perfeição. Existe ainda, um certo suspense sobre uma perseguição ao circo, por uma pessoa que em grande parte do livro é denominada como “homem do governo”, que tem motivos obscuros para tentar encontrar o circo e Boss. Portanto, além de explorar bem os relacionamentos o livro traz ainda algumas cenas de ação bem dosadas.
“A maioria das pessoas não vivem o suficiente para ver o circo duas vezes. Estes são tempos exaustivos.”
Como mencionei no princípio dessa resenha esse é um livro que me tirou totalmente da minha zona de conforto literária, primeiro por apresentar três tipos de narrativas diferentes e segundo por não seguir uma ordem temporal exata. As narrativas a princípio me deixaram confusa, pois as mesmas não são alternadas em cada capítulo, por vezes vários capítulos são narrados em primeira pessoa e quando me habituava com a voz de repente o próximo capítulo seguia a narrativa em terceira ou segunda pessoa, por exemplo. Conforme avançava na leitura eu fui me habituando ao tipo de narrativa escolhida e já não sentia as transições drásticas demais, o mesmo aconteceu com o fato da ordem cronológica que alternava entre passado e presente, porém me senti mais confortável nesse ponto.
“... Ninguém quer ver você fracassar. Qualquer um pode fracassar. Eles pagam dinheiro pra nos ver fazer coisas que eles não conseguem.”
‘Little George” é o responsável pela narrativa em primeira pessoa, mas ao contrário do que se pode pensar ele nunca foi modificado por Boss e nem por isso ele deixa de ter uma conexão especial com Tresaulti e principalmente com Boss. É através das descrições dele que o circo ganha vida e cresce diante dos olhos do leitor. Ele é uma das poucas pessoas que permanecem por mais tempo no circo, ele ama tudo o que ele vive e se encanta com a magia de Boss, o circo pra ele tem um forte significado e faz todo o sentido ele ter sido escolhido como narrador.


Esse é um livro oito ou oitenta, é comum deparar com leitores ou que amaram ou que odiaram a leitura, eu me encaixo no primeiro grupo mesmo que a princípio tenha me sentido confusa, aos poucos fui me ambientando e compreendendo o estilo de narrativa e cronologia adotada. Quanto mais me via imersa ao universo apresentado mais fácil era de me aproximar dos personagens e ter uma visão mais ampla e bem construída do Tresaulti. Não vejo como indicar este livro a um público especifico, mas se você está procurando algo diferente e que apresente uma atmosfera circense apresentado em universo distópico acredito que “O Circo Mecânico Tresaulti” pode te surpreender.

Você pode gostar

11 comentários

  1. Olá!
    Sempre leio muitos elogios sobre a obra. Tenho aqui e acho a edição belíssima, mas ainda não li.
    Tenho muita curiosidade para saber como foi a construção da história e da narrativa da obra.
    Espero que a leitura me agrade tanto quanto lhe agradou.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Oi Carol, só mesmo o circo para aliviar a dura realidade de uma guerra. Não li ainda, mas tenho vontade.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Oi, eu amo livros que tenham circo na história. Eu já li 'O circo da noite' e me encantei, você já leu? Gostei muito dessa resenha e do livro, pretendo ler um dia. obrigada pela dica, beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi,
    Confesso que tenho o livro na coleção (pois a coleção não é só minha), mas que acabei nunca me interessando em ler pelo simples fato de ter "Circo" no nome, e isso já me assusta uma vez que tenho coulrofobia.
    Mas adorei a sua resenha, e até fiquei bem curiosa para ler o livro. Adorei a forma como escreve. Parabéns.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Já ouvi dizer nesse livro, e parece ser ótimo, a capa é linda de morrer, mas preciso confessar que acredito que ficaria no segundo grupo, ou seja, no final não iria gostar, pois não curto muito livros que me confundem.
    beijos.

    ResponderExcluir
  6. Estou louca para ler esse livro! Nunca tinha lido um livro com esse gênero,
    Amo distopias, são minhas queridinhas. Adorei a resenha, você fez eu me interessar! Já vi que não vou me arrepender, haha!
    Beijo e sucesso!

    ResponderExcluir
  7. Oii, tudo bem?
    Eu sempre vi muitas pessoas falando super bem desse livro, sem falar que a capa é belíssima. Eu achei a premissa da historia bem original e ela me chamou muito a atenção, então com certeza está na minha listinha.

    ResponderExcluir
  8. Oi Carol!
    Sempre tive curiosidade a respeito desse livro, só não me joguei na leitura justamente porque sabia que ele iria me tirar da zona de conforto. Por mais que eu leia distopias, eles não são nem de longe o gênero que gosto de ler. Tive receio de ler, não me adaptar e acabar não sendo uma leitura proveitosa.
    Que bom que gostou e que, de certa forma, ele te surpreendeu. Um dia, quem sabe, me arrisco também.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. olá... tenho esse livro há um tempinho mas ainda nao li, essa edição é lindissima mas por ter visto algumas opiniões negativas fiquei cismada de dar inicio a leitura...
    espero fazer parte dos que amam o livro e já vou entrar na história atenta com essa narrativa e cronologia...
    bjs...

    ResponderExcluir
  10. Oi tudo bem?
    Eu tenho muita vontade de fazer essa leitura já tem algum tempo e embora até hoje ainda não tendo a oportunidade, espero que ela ainda surja, a sua resenha me deixou mais animada, pois além de curtir a premissa, sempre fico curiosa em relação a tramas que não seguem uma linha temporal tão comum, beijos

    ResponderExcluir
  11. Se está nos meus desejados? SIM! Se quero ler? SIM! Ah esses livros maravilhosos da Darkside, amei sua resenha aguardo a próxima! Beijos.

    ResponderExcluir

Facebook

Instagram